Desmatamento na Amazônia em outubro foi o maior dos últimos dez anos, revela Imazon

Em outubro de 2020, Sistema de Alerta de Desmatamento do instituto detectou 890 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal, aumento de 49% em relação a outubro de 2019

Nos últimos meses, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon vem detectando um aumento no número de áreas de floresta derrubadas na Amazônia. Em outubro não foi diferente. Os satélites registraram um desmatamento de 890 quilômetros quadrados, o maior do mês de outubro dos últimos dez anos. De janeiro a outubro deste ano, a Amazônia perdeu 6.920 km² de área verde, 23% a mais que no mesmo período do ano passado. Na análise somente do mês de outubro, o crescimento do desmatamento foi de 49%.

No ranking dos estados que mais desmataram a Amazônia, o Pará aparece em primeiro lugar com mais da metade (53%) do total registrado no mês. Em seguida vem Rondônia (12%), Acre (9%), Mato Grosso (9%), Amazonas (9%), Maranhão (5%), Roraima (2%) e Amapá (1%). O Pará também domina o ranking dos municípios que registraram mais destruição da floresta: nove dos dez municípios na lista são paraenses.

Degradação

No último mês, a degradação cresceu 279% na Amazônia, segundo o sistema de monitoramento do Imazon. Ao todo, as florestas degradadas totalizaram 2.351 quilômetros quadrados. Os incêndios florestais são alguns dos exemplos de degradação. Esses incêndios podem ser causados por queimadas controladas em áreas privadas para limpeza de pasto, por exemplo, mas que acabam atingindo a floresta e se alastrando. A extração seletiva de madeira para fins comerciais é outro exemplo de degradação.

Monitoramento da Amazônia

O Sistema de Alerta de Desmatamento, desenvolvido pelo Imazon, é uma ferramenta que utiliza imagens de satélite para monitorar a floresta. Além do SAD, existem outras plataformas que vigiam a Amazônia: Deter, do Inpe, e o GLAD, da Universidade de Maryland. Todas essas plataformas são importantes para a proteção do nosso patrimônio ambiental, pois garantem a vigilância da floresta e a emissão de alertas dos locais onde há registro de desmatamento. Os dados fornecidos ajudam a subsidiar os órgãos de controle ambiental a planejar operações de fiscalização e identificar desmatadores ilegais.

Foto: Araquém de Alcântara/Imazon

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 2 =

Skip to content