AMAZONASDESTAQUESEGURANÇA

Manipulação de apostas esportiva é debatido em Manaus durante evento sobre crime organizado

Uruguaio Juan Matias Méndez, advertiu sobre os riscos associados a resultados manipulados no esporte e à influência do crime organizado, durante palestra no GNCOC

Encerrando o primeiro dia do Encontro do Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (GNCOC), na tarde desta quinta-feira (16/05), no auditório Carlos Alberto Bandeira de Araújo, na sede do Ministério Público do Amazonas (MPAM), o gerente de Parcerias de Integridade na América Latina da SportRadar, o uruguaio Juan Matias Méndez, conduziu palestra sobre manipulação de resultados de jogos esportivos e a atuação do crime organizado nesse cenário. 

Méndez ressaltou a importância de serviços de Integridade, como a SportRadar, órgão que monitora movimentos suspeitos em apostas, atua como prestador de serviço para a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e presta serviços para federações estaduais.

“Há quatro pilares para a melhoria do sistema contra manipulação e fraude, sendo eles: a educação e prevenção, a ampliação de monitoramento, o investimento em investigação, as auditorias de integridade e o acesso para realização de denúncias”, recomendou o gerente da SportRadar.

A palestra contou também com a participação on-line de Felippe Marchetti, responsável pelas Alianças de Integridade no Brasil da SportRadar. Em sua fala, o brasileiro destacou como a manipulação afeta o Brasil, comparando esse cenário com o de uma epidemia. Ele também citou o impacto de padrões suspeitos e atividades fraudulentas na economia do Brasil e do mundo.

Sobre o Encontro do GNCOC

O Encontro do Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (GNCOC) acontece nos dias 16 e 17 deste mês, na sede do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPAM), reunindo autoridades nacionais e internacionais para debater o combate ao crime organizado. Entre os subtópicos abordados, estão o Sistema Penitenciário Federal, a manipulação de resultados em competições esportivas e o tráfico de drogas na fronteira.

Foto: Hirailton Gomes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo